quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Quente


  Eras quente
Agora és frio
Já não me aqueces
Como antigamente
Hoje eu sinto o arrepio...
Pois dos teus beijos,
Só recebo um calafrio
Atinges-me,
Como que a água dum poço
Que me gela o sangue com pouco esforço
Os teus beijos,
Tão rápido rapidamente tornaram-se estranhos para mim
Como é que, tão fácil facilmente os sábios,
Deixaram-te assim
O homem que te perdoou,
Também reza pela minha dor
Um último beijo,
Na flor eu dou
Sem saber quando te revejo,
Deixo-te ir com a rosa que da terra brotou
Eras eloquente
Agora és sombrio
Será que ainda vagueio em tua mente?
Ou, abandonaste-me num terreno baldio?


katya Figueiredo
 


 
 
 


Sem comentários:

Enviar um comentário