terça-feira, 19 de novembro de 2013

Triste


 
 Triste sou eu
Deixo o dia passar em branco
Só porque o céu não está da cor que se quer.
Tristes são os meus olhos, que fecham-se de vergonha
Em patético embaraço,
Quando vem à tona que também sei amar.
Triste és tu que deixaste de viver
Com medo de sofrer.
Triste é ela que anseia morrer
Quando muitos morreram para viver.
Triste é ele que sofre por antecipação
Quando deveria celebrar a vida.
Triste somos nós que comemos em fartura
E ainda nos queixamos.
Triste sois vós que desperdiçam o alimento,
Quando alguém em algures, nada tem para comer.
Triste são estas cidades,
Que iludem a minha mente
Para nunca as poder questionar.
Triste é o homem
Que enterra o tempo na rede,
Quando a natureza o seduz.
Triste é o marido, que agredi a mulher
Quando o mais fácil seria amá-la.
Triste sois vós que dão-se a fruição
Parar de respirar, pensando na morte
Quando vão tê-la eternamente.
Triste é, estragar a surpresa.
 

Katya Figueiredo

1 comentário: